Era uma vez uma Igreja que tinha mártires. 2


2 Flares Twitter 0 Facebook 2 Filament.io 2 Flares ×

“Era uma vez, num tempo muito, mas muito distante, um grupo de homens e mulheres que amavam sua igreja. Mais que isso, tinham um amor incondicional ao Senhor dela, a saber, Jesus Cristo. Essas pessoas viviam de maneira intensa os ensinamentos do Mestre.

Faziam tudo em comum e detinham a real noção do que era participar de algo tão maravilhoso assim. Não se preocupavam com posições sociais, status, riquezas e outras coisas que fazem parte do cotidiano de qualquer ser humano. Muito pelo contrário, seus corações e, por sua vez, seus impulsos, estavam totalmente ligados à missão que o seu Senhor os havia confiado.  Entendiam que a maior benção que Deus poderia lhes conceder não era uma casa nova, saúde plena ou uma situação financeira confortável, mas sim a oportunidade deles viverem eternamente na companhia do Senhor, usufruindo da sua maravilhosa Glória. Sabiam que este mundo é passageiro,  e que seus pensamentos deveriam estar presos a perspectiva da  vida que começaria assim que a deste mundo tivesse seu fim.

Preocupavam-se em serem honestos, amorosos, misericordiosos e, principalmente, em levar a mensagem de um novo Reino a todos. Tal atitude era como um ato de gratidão por seu Mestre ter morrido no lugar deles, e este sentimento era de tamanho tal que não mediam esforços para cumprir o que fora designado. Muitos deixavam seu trabalho, sua cidade natal e sua família por Seu nome. Faziam isso sem esperar nada em troca. Nem reconhecimento, nem poder e muito menos dinheiro.

Existiam até no meio destes uns que, incitados a renegar a seu Senhor, optavam por morrer, muitas vezes de maneira trágica e dolorida. Entregavam suas vidas pelo seu Mestre. O primeiro que temos notícia chamava-se Estevão. Este foi preso, condenado e apedrejado até a morte. Neste momento doloroso os céus se abriram. Viu o Senhor e pediu que aqueles que o matavam fossem perdoados. Existiram outros:  Tiago, o Maior, foi decapitado. Felipe, o que pregou ao eunuco de Candace, foi açoitado e crucificado. Mateus, o evangelista, foi assassinado na Etiópia por uma alabarda enquanto compartilhava as boas novas. Tiago, o epíscopo de Jerusalém e autor da epístola que leva seu nome, morreu aos 99 anos por espancamento, feito por judeus das sinagogas. Alguns foram crucificados, como Pedro, Judas, Bartolomeu e Simão.  Lucas, o outro evangelista, morreu dependurado a uma oliveira pelos idólatras da Grécia. Tomé, chamado Dídimo, morreu pregando o Evangelho na Índia, transpassado por uma lança de sacerdotes pagãos que se sentiram irados pelas palavras dele. Apesar de todas estas mortes trágicas, a que mais impressionou foi a do evangelista Marcos, companheiro de ministério do apóstolo Pedro. Marcos foi preso em Alexandria por pregar o Evangelho de Jesus. Foi convidado a negar Jesus em troca de sua vida, mas declinou sem nenhum pestanejar de dúvida. Acabou morto de maneira brutal, sendo arrastado e despedaçado pela população da cidade, na grande solenidade ao ídolo Serapis. Terminou sua vida em mãos implacáveis.

Nem todos morreram assim, apenas algumas almas especiais. Estes, todavia,  ficaram conhecidos como mártires, os que praticam as últimas consequências de uma fé baseada no amor.

Entretanto, muito tempo se passou e as coisas mudaram….”

Criei este texto para que possamos fazer uma reflexão de até aonde vai a nossa fé. Não creio que você precisa tornar-se um mártir para ser especial aos olhos de Deus. Num país com a liberdade religiosa como o nosso, este tipo de atitude é inconcebível. Mas a pergunta é: – Até que ponto iríamos para demonstrar nossa fé em Jesus? Faça um paralelo. Hoje temos por vezes dificuldade de falar do Evangelho para um colega de trabalho, só para dar um exemplo, mas muitos morreram para não negar o mesmo Jesus. Muitos acreditam atualmente  que ter sucesso, poder, status e dinheiro sobrando é sinônimo de “estar com Deus”. Se estes estão certos, os irmãos descritos acima eram pecadores de última estirpe? Eu creio que não.  Pense nisso!

Deus o abençoe.

Fabio Marchiori Machado.

P.S.: O relato dos mártires descritos acima, com exceção de Estevão e de Tiago, o Maior, foram baseados na obra  “O Livro dos Mártires” de John Fox, Editora CPAD, páginas 3-6.


Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

2 pensamentos em “Era uma vez uma Igreja que tinha mártires.

  • Reflexões Bíblicas - Duarte Rego

    Este texto é deveras inspirador e ao mesmo tempo nos causa tristeza e nos deixa com um sentimento de vazio pois não somos capazes de sofrer por vezes pequenas coisa por amor a Cristo. Como esta liberdade nos leva por caminhos tão desfigurados dos nossos amados irmãos do passado e de alguns no presente, principalmente no oriente.

    Abraços

    • Fabio Marchiori Autor do post

      Olá Duarte, feliz em V6e-lo novamente no BereiaBlog. Vc tocou num ponto importante – a liberdade que temos hj e que não sabemos desfrutar sua totalidade em prol da missão.

      Deus o abençoe.

      Fabio.